Brasil entra em projeto de megacabo submarino de rede de 15 mil km

Cabo submarino vai ligar a América do Sul à Ásia e à Oceania

Por Agência O Globo

(Spencer Platt/Getty Images)

O governo brasileiro anunciou sua adesão formal ao projeto para a construção do cabo de fibras ópticas “Humboldt”, com quase 15.000 quilômetros de extensão. Trata-se de uma iniciativa chilena, que prevê a instalação do primeiro cabo submarino para interligar a América do Sul à Oceania e à Ásia. Além do Brasil, Argentina, Austrália e Nova Zelândia já manifestaram sua participação no projeto.

Nos próximos meses, equipes técnicas dos países envolvidos aprofundarão as discussões sobre as modalidades financeiras e técnicas da participação do Brasil neste projeto de longo prazo. O volume total de investimentos do projeto foi orçado em cerca de 400 milhões de dólares, e o prazo da concessão público-privada que deverá operá-lo foi estimado em 25 anos.

Fonte: EXAME.com

250 vagas em tecnologia com salários a partir de R$ 4 mil; confira

A The Bridge, rede que conecta empresas e profissionais, está em busca de 250 pessoas interessadas em oportunidades de trabalho na área de tecnologia.

Imagem: Pexels

As vagas são para UX Designer, Product Owner (APPs) Remoto, Desenvolvedor(a) Full Stack, Frontend, Mobile (React Native), Gerente de Desenvolvimento Senior, Product Designer, Senior IT Architect Remoto, Mobile Developer, entre outros.

As oportunidades que incluem empresas no Brasil e no exterior, oferecem posições de freelancer ou permanente nos modelos home office ou presencial, de acordo com a preferência da pessoa. Os salários variam entre R$4.000 e R$30.000.

Os interessados podem cadastrar o currículo no site da iniciativa para visualizar todas as ofertas de emprego disponíveis. Feita a inscrição, os candidatos têm acesso a uma rede de conteúdos especiais, eventos, webinars e experiências de aprendizado. "Nossa principal missão é que as pessoas alcancem seus sonhos de uma carreira de sucesso em qualquer lugar do mundo", explica o CEO da empresa, Bernardo Wertheim.

Atualmente, a The Bridge conta com mais de 230 mil cadastros na plataforma e empresas como BTG Pactual, Banco Neon, Loggi, Itaú, PagSeguro, Santander, Uber, Whirlpool, e Walmart em seu portfólio de clientes.

Confira todas as vagas disponíveis aqui.

6 motivos para entender que a inovação tecnológica não é coisa do futuro

A inovação tecnológica nas empresas já não é uma tendência, mas, sim, um mecanismo de sobrevivência, diante da acirrada competitividade no mercado.

Que a inovação tecnológica vem revolucionando a forma das empresas fazerem negócios não é novidade. Mas a rapidez com que esses recursos estão evoluindo, e o quanto exponenciam resultados, talvez ainda não seja de amplo conhecimento.

É difícil imaginar a dinâmica de empreendimentos, de todos os portes, não ser afetada por essa modernização. E, por isso, fica a reflexão: qual a relação do seu negócio com as tecnologias? O assunto recebe cada dia mais destaque no mundo dos negócios, e empresas de todos os tipos e tamanhos têm investido pesado nessa estratégia.

Separei algumas dicas com novidades e os seis principais motivos para que as pequenas e médias empresas precisam aportar na tecnologia.

1. Agilidade nos processos

Os avanços tecnológicos modificaram bastante a forma de atuação das empresas. No cenário atual, boa parte das atividades são realizadas pelas máquinas, sobretudo aquelas repetitivas. Hoje, esses equipamentos vêm adquirindo inclusive a capacidade de raciocinar.

O uso de softwares modernos simplifica e agrega velocidade em todos os setores — o que levaria horas ou dias para se executar manualmente, essas ferramentas conseguem resolver em poucos minutos. E isso é benéfico tanto para grandes empreendimentos quanto os de pequeno e médio porte.

2. Redução dos custos

A implementação de tecnologias não é um processo simples, e depende de um investimento inicial que pode ser considerado caro por muitos empreendedores. No entanto, se analisarmos os resultados a longo prazo, a redução dos custos operacionais são bem evidentes e demonstram a eficiência da estratégia.

Ao automatizar tarefas, o gestor tem maior controle dos dados que são gerados na rotina empresarial e, consequentemente, uma melhor percepção daquilo que funciona bem, dos pontos fracos que necessitam de aprimoramento.

Dessa forma, ele consegue identificar gargalos com mais facilidade e distribuir corretamente os recursos. Além disso, o auxílio da tecnologia reduz significativamente os prejuízos causados por erros, pois eles passam a acontecer com menos frequência, e isso evita o retrabalho e desperdício de recursos.

Ademais, a automatização contribui para o melhor aproveitamento das equipes, que são liberadas dos trabalhos repetitivos e passam a desempenhar papéis estratégicos na organização.

3. Melhoria no controle de qualidade

O investimento em um bom software aumenta a capacidade de registro, organização e gerenciamento de dados sobre tudo o que se passa na empresa, inclusive dos históricos de relacionamentos com os seus clientes.

Com esse domínio, o controle sobre todas as operações e também sobre a qualidade dos seus produtos ou serviços é muito mais efetivo. Além de tornar os procedimentos mais ágeis, o uso de ferramentas modernas auxilia na manutenção de um padrão sempre elevado.

4. Atração e fidelização de clientes

Outro aspecto positivo da implementação de novas tecnologias é a otimização do relacionamento com os clientes. Em primeiro lugar, graças aos recursos das mídias sociais, as empresas conseguem estabelecer uma interação mais próxima com o público, o que representa uma excelente estratégia para gerar engajamento.

Para as etapas de atendimento, a Inteligência Artificial aprimora cada vez mais o tempo e a qualidade nas respostas aos consumidores, os chatbots.

A medida em que as tecnologias se tornam parte do funcionamento das empresas, inclusive as de pequeno e médio porte, o que se obtém é o aumento da sua capacidade de personalização, e não restam dúvidas de que clientes satisfeitos estão mais propensos à fidelização.

5. Engajamento e motivação dos colaboradores

A gestão de talentos é sempre um grande desafio para os empreendedores. Se você não oferece um ambiente de trabalho agradável, com as ferramentas necessárias para que os funcionários rendam mais, e uma gestão que os faça sentir valorizados, dificilmente vá conseguir manter a motivação do time.

Lembre-se de que profissionais engajados com a cultura da empresa e com os valores que ela gera no mercado são mais produtivos. E o uso das tecnologias é importante para se atingir esse objetivo — eles ficam, por exemplo, menos presos aos trabalhos repetitivos e sentem-se mais úteis.

6. Melhoria na comunicação

Uma das questões que colocam em xeque o desempenho de qualquer empreendimento é a falha na comunicação. Isso pode trazer desde problemas de desempenho até erros mais graves, que comprometam a imagem da marca.

Se funcionários e gestores não “falam a mesma língua”, se há ruídos na troca de mensagens, fica bem difícil manter um alinhamento de ideias, para fazer com que cada envolvido entenda o seu papel para o alcance das metas.

Por essa razão, é fundamental investir na comunicação interna do ambiente de trabalho. Hoje, há uma infinidade de recursos que facilitam os diálogos do dia a dia. Dentre eles, podemos destacar os softwares de gestão, que reúnem informações de todos os setores em uma única plataforma e ainda permitem o acesso remoto pelos envolvidos.

Nesse contexto, os sistemas de telefonia IP possibilitam o recebimento de chamadas do telefone comercial mesmo que o funcionário esteja fora da empresa. Além disso, temos os aplicativos de troca de mensagens e as ferramentas de telecomunicações em geral.

Implementar tecnologias para melhorar a comunicação interna garante à organização rapidez para solucionar suas demandas diárias e, assim, evitar dores de cabeça futuras.

Quais as consequências ao não aderir a inovação tecnológica?

A não inclusão de inovações tecnológicas nos processos corporativos pode desencadear uma série de consequências negativas, que vão resultar na perda de competitividade da empresa.

Em um mercado em que todos estão buscando alternativas que tragam eficiência e, ao mesmo tempo, economia de custos sem a perda da qualidade, ficar de fora dessa tendência pode custar a sobrevivência do negócio. Separei alguns dos principais efeitos: perda financeira, falta de informações exatas dos clientes e fornecedores, perda de venda, controle de compra e estoque ineficiente.

A inovação tecnológica nas empresas já não é uma tendência, mas, sim, um mecanismo de sobrevivência, diante da acirrada competitividade no mercado. Por isso, sua incorporação à rotina do empreendimento é um assunto que deve ser dominado com urgência. Os benefícios da estratégia são muitos e é melhor não perder tempo para usufruí-los.

Georgia Roncon é especialista em Gestão Empresarial e Marketing pela FGV. É cofundadora da AGE GROUP, que atua em Turismo, Investimentos e com Educação em Inovação e Tecnologia com o ECQ Lifelong Learning, que opera tanto no Brasil e nos EUA.

Fonte: Administradores.com

Samsung lançará PC com ‘processador de celular’ e GPU da AMD

Samsung pode estar se preparando para lançar no mercado um computador com Windows 10, equipado com um processador Exynos e placa de vídeo da AMD.

Imagem: CNET

Como os Exynos se baseiam na arquitetura ARM, e já estão presentes na linha de smartphones Galaxy S21 da sul-coreana, é possível que o novo PC da Samsung irá rodar em ARM, competindo com o Snapdragon 8cx da Qualcomm.

Divulgado pelo site ZDNet Korea na quarta-feira (24), o lançamento do novo computador da Samsung está previsto para o segundo semestre deste ano, possivelmente após o lançamento da nova geração do Galaxy Note, linha que vem perdendo espaço na constelação da Samsung, cada vez mais habitada por dobráveis.

Se o PC for mesmo lançado, a Samsung estaria entrando em um mercado largamente dominado pela Qualcomm, parceira da Microsoft desde 2018. Para consolidar sua liderança, a fabricante de chips californiana lançou, em meados do ano passado, a segunda geração do Snapdragon 8cx para notebooks Windows 10.

A mudança para o Exynos

Fonte: Pplware/Reprodução
Fonte: Pplware/Reprodução

Fonte:  Pplware 

A Samsung já havia utilizado o Windows 10 em dispositivos ARM em 2019, quando lançou na época o Galaxy Book S e o Galaxy Book 2. Porém, os dois modelos utilizavam processadores da Qualcomm, o Snapdragon 8cz.

Na mesma ocasião, a Samsung anunciou sua parceria com a AMD, com o objetivo de levar a GPU Radeon aos smartphones da marca. Pelo acordo, a fabricante dos processadores Ryzen receberia valores em taxas de licenciamento e royalties pelo uso dos seus gráficos.

Há muito que empresas como a Intel e a Qualcomm dominam o mercado, mas alguns fabricantes de equipamentos estão adotando soluções “domésticas”, como a Apple, que projetou seu próprio chip, o M1, para equipar o MacBook Air e o Pro. Ao lançar um PC com Windows 10, alimentado com um processador Exynos, a Samsung poderá ser o próximo OEM a adotar essa tendência.

Fonte: TecMundo

As 10 tendências tecnológicas que devem dominar 2021

Em um ranking enviado com exclusividade à EXAME, a consultoria de gestão global Bain & Company antecipou 10 tendências tecnológicas.

Se em 2020 a tecnologia esteve na ponta da língua das pessoas e foi o foco de muitas empresas que, durante a pandemia do novo coronavírus, buscaram se digitalizar para se tornarem mais competitivas, 2021 não deve ser diferente.

Em um ranking enviado com exclusividade à EXAME, a consultoria de gestão global Bain & Company antecipou 10 tendências tecnológicas que devem dominar o ano de 2021 – entre elas a Inteligência Artificial (AI), que já vem ganhando espaço nos últimos anos e se tornando cada vez mais importante para mercados variados.

1. Limite da Inteligência Artificial

Segundo a Bain & Company, a primeira tendência é a do Edge AI. “Considerada a próxima onda de inteligência artificial,
é uma infraestrutura de rede que possibilita que algoritmos de inteligência artificial sejam executados na extremidade de uma rede, ou seja, mais perto ou até mesmo nos dispositivos que coletam os dados”, explica a companhia em comunicado. De acordo com a consultoria, a aceleração do movimento aconteceu principalmente pelas mudanças repentinas no tráfego de rede que acompanharam os bloqueios da covid-19 e a necessidade de trabalhar em casa.

“Os benefícios desta tendência incluem a preservação da largura de banda e o aumento da eficiência ao processar as informações mais perto dos usuários e dispositivos ao invés de enviar esses dados para processamento em locais centrais na nuvem. Ao incorporar IA localmente, os fabricantes podem reduzir os problemas de latência e acelerar a geração de insights, enquanto diminuem o uso e o custo dos serviços em nuvem”, diz.

Com isso, cai também o custo da conectividade, uma vez que o processamento por parte dos dados localmente reduz a largura da banda e o uso dos dados do celular. “E como a inteligência está sendo executada localmente, as fábricas localizadas em áreas remotas com infraestrutura de comunicação deficiente estão menos sujeitas a perdas de

conectividade que podem impedir a tomada de decisões de missão crítica e urgente.”

2. 5G para quê te quero

A segunda tendência que pode vir com força neste ano é a rede 5G em fábricas. Segundo uma pesquisa da IHS Markit, o Fórum Econômico Mundial espera que a rede móvel de quinta geração alcance uma produção econômica global de 13,2 trilhões de dólares e gere 22,3 milhões de empregos até 2035.

De acordo com a Bain & Company, com a mudança, é esperado que “um grande e rápido avanço na indústria 4.0 e na internet das coisas industrial” aconteça. “Capaz de atender aos requisitos de energia de milhões de conexões para aplicativos de dados intensivos, a previsão é que o 5G impulsione a indústria de manufatura com novos e mais poderosos recursos digitais”, afirma a consultoria.

A Bain & Company explica que o 5G, até 100 vezes mais rápido que o 4G, oferece latência drasticamente reduzida, “o que torna possível compartilhar dados com extrema rapidez, eliminar atrasos de processamento e garantir que os sistemas de fábrica possam reagir em tempo real.”

Outro ponto que irá fortalecer a rede de quinta geração, é a confiabilidade da conectividade do 5G, que “garante uma conexão de rede estável e constante em qualquer lugar e a qualquer momento no chão de fábrica, garantindo a execução contínua e desimpedida de missões críticas de negócios. O 5G poderá até mesmo inaugurar uma era de comunicação entre máquinas.”

3. Crescimento no seguro

Estimativas do mercado de seguro baseado em uso (UBI) projetam que ele chegará até 126 bilhões de dólares até 2027. De acordo com a empresa de consultoria Gartner, o crescimento deve “se conectar com o desenvolvimento da chamada ‘telemática’, que é o uso de dispositivos sem fio e tecnologias de ‘caixa preta’ para transmitir dados em tempo real de volta para uma organização.”

Até 2021, é esperado que existam 3,8 bilhões de usuários de smartphones e a telemática móvel irá levar o UBI um passo adiante, “permitindo que as seguradoras usem sensores e tecnologias de rastreamento incorporadas em smartphones para coletar dados em tempo real e entender melhor os hábitos de direção de seus clientes”. “Em última análise, isso dará às seguradoras a oportunidade de oferecer programas de seguro baseados em comportamento mais competitivos e inovadores, ao mesmo tempo em que promove a segurança do motorista”, diz a Bain.

4. Ainda mais Inteligência Artificial

De acordo com a The Economist Intelligence Unit, bancos e seguradoras devem aumentar seus investimentos em IA em 86% até 2025 – e, para a Bain & Company, as empresas precisam explorar todo o potencial da Inteligência Artificial. “Os funcionários com pouca ou nenhuma formação em ciência da computação precisam ser capazes de usá-la para aumentar seu desempenho operacional”, diz.

É por isso que, segundo a consultoria, plataformas mais simples de IA devem surgir, para permitir que os funcionários criem modelos rapidamente, compreendam e confiem em seus resultados com facilidade, além de tomar decisões com segurança.

5. Cibersegurança

A crise da covid-19, segundo a Interpol, criou uma oportunidade sem precedentes para os golpes na internet aumentarem. Segundo a Fortinet, empresa especializada em cibersegurança, 2020 registrou uma alta no número de ataques cibernéticos em todo o mundo. Só no Brasil foram mais de 3 bilhões de tentativas de ataques virtuais.

É por isso que, para a consultoria, “identificar pontos fracos comuns de segurança de TI e desenvolver maturidade em segurança cibernética é fundamental para construir organizações digitais verdadeiramente resilientes.”

Com o custo alto do absenteísmo para as empresas, que chega a custar bilhões de dólares por ano, o varejo, segundo a consultoria, é particularmente dependente de interações presenciais entre clientes e funcionários da loja, “algo que a covid-19 tornou especialmente desafiador.”

De acordo com a Bain, cerca de 88% dos varejistas globais preferem trabalhar com força de trabalho extra do que correr o risco de ficar com falta de pessoal. Essa abordagem leva a altos custos de mão de obra e lucros menores.

Para a consultoria, o que pode resolver a situação são as tecnologias de gerenciamento de força de trabalho, aumentando substancialmente a agilidade e respondendo aos picos de atividade e absenteísmo dos funcionários o que, segundo a Bain, melhoraria o desempenho operacional e a lucratividade das empresas.

7. Dados de saúde

O mercado de big data na área da saúde deve alcançar quase 70 bilhões de dólares em 2025 – valor quase seis vezes mais alto que em 2016, quando era de 11,5 bilhões de dólares. Impulsionada pela pandemia da covid-19, a rápida aceleração da coleta de dados de saúde oferece ao setor uma oportunidade sem precedentes de alavancar e implantar recursos digitais inovadores, como a IA, para melhorar o tratamento.

“O uso inteligente de dados de saúde tem o potencial de melhorar drasticamente o atendimento ao paciente”, diz a Bain.

8. O novo RH

A área de recursos humanos vem crescendo nos últimos anos e estimativas apontam que, em 2025, os millenials serão responsáveis por 3/4 da força de trabalho global.

Com a entrada de mais pessoas dessa geração no mercado de trabalho, as organizações precisarão trabalhar com um grupo cada vez mais digital, modernizando o recrutamento.

“Usar a tecnologia para desenvolver um processo de contratação inovador pode melhorar o desempenho das equipes de RH e permitir a identificação mais rápida dos candidatos mais promissores, ao mesmo tempo que atende às expectativas de uma nova geração de talentos”, afirma a Bain & Company.

9. Economia circular

A penúltima tendência que deve ganhar força em 2021, é “a mudança de relações transacionais baseadas na venda
de produtos para um modelo de produção e consumo que envolve compartilhamento, aluguel, reutilização e reciclagem de materiais e produtos existentes está ganhando força conforme as preferências dos consumidores e acionistas mudam em direção à sustentabilidade.”

Segundo a Bain & Company, as empresas estão sob pressão crescente para reduzir os recursos naturais consumidos na produção de serviços e produtos – como a Apple, por exemplo, que retirou seus carregadores das caixas de seus dispositivos para “evitar o desperdício no ambiente”.

10. Sem desperdício

Em linha com a economia circular, outra tendência que deve se tornar ainda mais forte neste ano é a queda no desperdício de alimentos. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, mais de 30% dos alimentos do mundo são perdidos ou desperdiçados todos os anos.

Para a Bain, “usar a tecnologia para reduzir o desperdício pode diminuir significativamente os alimentos descartados por varejistas e empresas, aumentar a segurança alimentar e aliviar o sofrimento de centenas de milhões de pessoas que passam fome”. Em 2019, o valor era estimado em aproximadamente 821 milhões de pessoas.

Fonte: EXAME.com

Veja o top de 10 startups no Brasil

Ranking elaborado pela rede social LinkedIn teve uma metodologia diferente neste ano por conta da pandemia

A lista LinkedIn Top Startups 2020 teve um dos ranking mais heterogênios desde o seu lançamento em 2017, afirma a própria rede social. Fintech, logística, saúde e gestão de imóveis estão entre os serviços prestados por empresas que, especialmente neste ano, têm na resiliência e superação da crise causada pelo coronavírus o seu elo em comum.

Não à toa, a pandemia afetou também a metodologia da escolha do ranking. A análise das empresas teve um recorte de tempo, ao invés de um ano, elas foram analisadas de janeiro a julho de 2020. Para serem elegíveis, devem ser independentes e privadas, ter 50 ou mais empregados no país, ter sete anos ou menos e estar sediada no Brasil. Para garantir a inclusão de empresas com forte potencial de crescimento, as startups que dispensaram 20% ou mais de sua força de trabalho dentro do prazo da metodologia também são inelegíveis.

"A lista 2020 reflete o estado atual da economia e do mundo, apresentando startups emergentes e resilientes e como elas estão operando neste universo em constante mudança", destaca Rafael Kato, editor-chefe do LinkedIn para a América Latina. O ranking das LinkedIn Top Startups é produzido pela equipe do LinkedIn Notícias usando uma combinação de dados da plataforma e análise editorial.

Veja as Top 10 Startups do Brasil, segundo o LinkedIn

  1. Menu - e-commerce B2B que conecta distribuidores e indústrias com estabelecimentos comerciais
  2. Loft - adquire e reforma imóveis para venda
  3. Consiga Mais - apoio aos clientes na organização das finanças
  4. Neon - Fintech
  5. Loggi - serviços de logística
  6. Yuca - adquire e reforma imóveis para locação
  7. Xerpa - soluções para automatizar gestão de recursos dos trabalhadores
  8. Conexa Saúde - plataforma de telemedicina
  9. Buser Brasil - aplicativo de transporte colaborativo
  10. Zenklub - plataforma de saúde emocional

Fonte: Administradores.com

Nvidia lança novas placas de vídeo para laptops gamer e anuncia RTX 3060

Nova geração de unidades gráficas foi lançada no ano passado e atualizada para laptops como parte dos anúncios da CES 2021.

Por Thiago Lavado (Exame.com)

Laptop gamer: Nvidia expande nova geração de unidades gráficas (Nvidia/Divulgação)

A fabricante de chips de processamento gráfico Nvidia está trazendo a nova geração GeForce RTX série 30 para laptops. As placas, inicialmente para desktop, foram anunciadas no ano passado em modelos e agora recebem a expansão da linha como parte dos anúncios da empresa durante a Consumer Electronic Show (CES), a maior feira de tecnologia voltada para o consumidor do mundo.

Já no lançamento cerca de 70 laptops devem incluir as novas unidades de processamento gráfico, com preços a partir de 999 dólares. De acordo com a fabricante, as novas placas têm aumento de eficiência energética e permitem designs mais finos e leves para os computadores.

Além dos modelos GeForce RTX 3090, 3090 e 3070 apresentados no ano passado, a Nvidia tamém lançou a RTX 3060, que poderá ser encontrada tanto para laptops quanto para desktops. A GPU sai a partir de 329 dólares.

De acordo com Jeff Fisher, vice-presidente do negócio de placas gráficas GeForce, o lançamento está alinhado com o mercado, com a adoção de jogos “por milhões de pessoas em 2020”, que recorreram a computadores melhores para jogar, criar e se conectar umas com as outras. Nos últimos dois anos, serviços vinculados a jogo, como o Discord, uma plataforma que conecta gamers, triplicou de tamanho, por exemplo.

Com arquitetura Ampere, a empresa afirma que a nova geração é até 2 vezes mais rápida do que a anterir, construída com base na arquitetura Turing, sendo um dos maiores saltos geracionais em termos de desempenho.

As unidades gráficas de final 60, de acordo com a Nvidia, são tradicionalmente populares entre gamers em plataformas como a Steam, e a GTX 1060 figurou no topo das listas de placas de vídeo para jogos desde que foi apresentada, em 2016.

Com novos títulos sendo disponibilizados no mercado de jogos, as placas vêm em momento de aumento na demanda. Lançado no final do ano passado, por exemplo, o game Cyberpunk 2077 teve desempenho notoriamente melhor em computadores com placas de vídeo dedicadas do que em consoles de videogame, por exemplo.

O mercado de unidades gráficas (GPUs) tem crescido em linha com a demanda maior por jogos online. De acordo com dados da empresa de análises Allied Market Research esse mercado, que valia 19,7 bilhões de dólares em 2019, deve crescer 10 vezes até 2027 para mais de 200 bilhões de dólares, com um crescimento médio anual de 33,6%.

Fonte: EXAME.com

Apple pretende fabricar carro autônomo a partir de 2024; saiba mais

O projeto Titan inclui bateria de longa duração e sensores LiDAR

De acordo com a agência de notícias Reuters, a Apple planeja uma ambiciosa expansão de seus negócios para os próximos anos, deixando de atuar exclusivamente no ramo dos eletrônicos para ingressar no mercado automobilístico.

Conhecido como Titan, o próximo grande projeto da gigante tecnológica é fabricar um carro autônomo a partir de 2024. A iniciativa integra os planos da Apple desde 2014, mas teria ganhado maior fôlego há dois anos, com a contratação do engenheiro Doug Field, que já havia trabalhado na empresa de Steve Jobs antes de se tornar vice-presidente de engenharia da montadora de automóveis elétricos Tesla.

Entre os destaques do empreendimento estão a inclusão de uma bateria exclusiva de longa duração, que aumentaria o alcance do veículo e reduziria seus custos, e dos sensores LiDAR, disponíveis no iPhone 12 Pro e iPad Pro, usados para oferecer visão tridimensional.

Segundo apurou a Reuters, porém, ainda se mantém incógnito o modo como a Apple irá concretizar o projeto; especula-se que a companhia possa contar com uma empresa parceira para fabricar o carro, ou mesmo optar por reduzir o escopo original para um sistema de direção autônoma a ser integrado aos automóveis de outras companhias.

Fonte: Administradores.com

WhatsApp libera chamadas de vídeo e voz para web e desktop

Finalmente as chamadas de vídeo e de voz começaram a ser disponibilizadas no WhatsApp Web.

Após muito tempo em desenvolvimento, finalmente as chamadas de vídeo e de voz começaram a ser disponibilizadas no WhatsApp Web e também no aplicativo para desktop.

Nesta quarta-feira (16), o site WABetaInfo confirmou a chegada do recurso, ainda em versão beta. O veículo já havia publicado imagens do sistema de ligações em outubro. No momento, apenas poucos usuários estão tendo acesso à novidade.

Ao receber a chamada, uma janela separada será aberta, com a possibilidade de atender ou recusar. Esta janela permanecerá visível durante a conversa, e também será nela onde as imagens dos participantes serão exibidas, no caso de videochamadas.

Janela flutuante permite atender ou recusar chamadas. Imagem: WABetaInfo/Reprodução

Quando é o próprio usuário quem realiza a chamada, a janela flutuante apresenta um tamanho menor e mostra o status da chamada e botões de atalho. É esperado que a versão web também permita realizar chamadas de voz e vídeo para grupos.

Recurso começou a ser liberado, mas ainda está em fase beta. Imagem: WABetaInfo/Reprodução

A conexão entre o cliente desktop e um smartphone com o aplicativo instalado e acesso à internet continua sendo obrigatória para efetuar e receber chamadas no WhatsApp Web.

Por ainda estar em fase beta, o recurso será liberado de maneira gradual. No entanto, a informação é de que novos usuários estão tendo acesso ao recurso todos os dias, apesar de não haver uma data oficial de lançamento.

Videochamadas não oficiais

Se você está ansioso para fazer chamadas de vídeo no WhatsApp pelo PC, mas não quer esperar pela atualização, saiba que existem alguns métodos não oficiais para isso, e o Olhar Digital tem um tutorial ensinando o processo.

Porém, é necessário informar que esta alternativa envolve o uso de um emulador de Android, e que ao menos para as chamadas de vídeo, será necessário configurar o PC como o seu dispositivo principal para usar o WhatsApp.

Fonte: WABetaInfo by Olhar Digital

LG lança fone Bluetooth autolimpante no Brasil

Tecnologia promete eliminar 99,9% das bactérias no aparelho

A LG oficializou agora em dezembro o lançamento no Brasil de seu novo fone de ouvido sem fio, o Tone Free FN6, que chama atenção por dispor de tecnologia de auto-higienização.

Segundo a fabricante sul-coreana, o recurso, chamado de UV Nano, elimina 99,9% das bactérias que estiverem presentes no aparelho, num processo de limpeza através de raios ultravioleta que ocorre por dez minutos durante o carregamento do produto.

Além da autoesterilização, outros destaques do novo fone Bluetooth são uma certificação de resistência a água, recurso de imersão auditiva na distribuição sonora e propriedade de redução de ruído, evitando que o usuário precise aumentar demais o volume para neutralizar sons externos.

A novidade da LG chega ao mercado brasileiro custando R$ 1.199.

Fonte: Administradores.com

↓
× Como posso te ajudar?