Dicas para escolher uma hospedagem confiável e otimizada para SEO quando for abrir um e-commerce

Um armazenamento confiável de dados é um dos fatores-chave para a operação de um site de alta qualidade e sucesso

Um armazenamento confiável de dados é um dos fatores-chave para a operação de um site de alta qualidade e sucesso. Infelizmente, nem todo mundo dá importância a isso ao lançar um novo projeto, porém, com o tempo, a importância dessa nuance ficará absolutamente clara. Portanto, é melhor escolher uma boa hospedagem logo no começo do projeto.

Atualmente, existem muitos provedores que oferecem serviços de hospedagem. Cada provedor oferece suas próprias condições - e neste artigo daremos a você dicas úteis sobre como escolher um provedor de hospedagem ideal para o seu e-commerce.

Que tipo de hospedagem uma loja online precisa?

A primeira coisa a verificar é qual Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) é o melhor para você. As opções comuns são 1C-Bitrix, WordPress, UMI-CMS, NetCat, PHPShop ou OpenCart.

Em seguida, você deve calcular o tráfego estimado para a loja. Depende do método de promoção. Portanto, se a principal forma de promoção for a publicidade contextual, então você precisará pegar seu orçamento de um mês e dividir esse valor pelo custo aproximado de um clique. Esta é uma previsão bastante aproximada, mas é bastante adequada para efeitos de escolha de um provedor de hospedagem . Ao mesmo tempo, pergunte quais serviços adicionais o provedor pode oferecer se o tráfego aumentar no futuro.

Outro aspecto importante é o tipo de hospedagem, porque existem vários tipos que são fundamentalmente diferentes uns dos outros.

Conheça alguns dos tipos de hospedagem mais usados

Hospedagem compartilhada

A hospedagem compartilhada e virtual implica o compartilhamento de recursos do servidor com outros clientes, cujo número pode estar na casa dos milhares. O poder da computação, a memória e outros recursos serão distribuídos igualmente entre os usuários. No entanto, no caso do desenvolvimento e crescimento de um site, seu ou dos vizinhos, em hospedagem compartilhada, o desempenho pode diminuir. Se você pretende desenvolver um projeto e atrair mais e mais tráfego, essa opção não é adequada para você.

Hospedagem VPS

VPS significa Servidor Privado Virtual, ou seja, um servidor virtual privado. Esse serviço envolve o compartilhamento do servidor com outros usuários, mas com a hospedagem VPS, ao contrário do geral, você recebe um espaço separado com uma quantidade reservada de energia e memória de computação. Isso forma um certo tipo de seguro contra problemas que podem ser causados durante a manutenção de sites vizinhos.

Servidor dedicado

Com esse tipo de hospedagem, você terá seu próprio servidor físico, projetado exclusivamente para o seu site. Ao mesmo tempo, será possível configurá-lo a seu critério, escolher o sistema operacional e o software que você deseja usar e configurar todo o ambiente de posicionamento de acordo com suas necessidades.

Alugar um servidor dedicado é geralmente o mesmo que ter seu próprio servidor local, apenas com suporte profissional do seu provedor de hospedagem.

Exclua imediatamente os provedores que têm baixa velocidade de transferência de dados
Exclua imediatamente os provedores que têm baixa velocidade de transferência de dados

Dicas para escolher uma hospedagem para um projeto de e-commerce

Escolher com base as críticas no site do provedor de hospedagem não é uma boa ideia. As pessoas têm gostos diferentes, existem clientes satisfeitos e insatisfeitos para qualquer opção.

É aconselhável calcular com antecedência a quantidade necessária de espaço em disco, prever a possibilidade de backup, tráfego ilimitado, acesso FTP.

Preste atenção às medidas de segurança que o provedor de hospedagem pode oferecer: proteção contra ataques DDoS, verificação de mensagens suspeitas no e-mail, etc.

Descubra se existe um período de teste e quais as restrições que ele impõe.

Certifique-se de que o provedor ofereça maneiras de tornar seu trabalho mais confortável e produtivo: a capacidade de vincular pelo menos cinco contas de e-mail, um painel de controle confortável, monitoramento de servidor 24 horas por dia, suporte para os scripts e programas necessários, suporte técnico 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Sinais de um bom provedor de hospedagem para e-commerce

Se você está escolhendo um provedor de hospedagem pela primeira vez, o processo pode ser complicado - há muitas nuances e sutilezas. Considere vários fatores que quase sempre indicam que o provedor oferece hospedagem de qualidade:

  • Licença de atividade e registro oficial
  • Informações transparentes sobre contatos, endereços dos escritórios indicados no site, telefones para comunicação
  • Data de registro do domínio. Quanto mais velho, mais confiável. Os fornecedores ruins têm poucas chances de permanecer no mercado por mais de dois anos
  • Data center próprio ou acordo com outros grandes data centers do país
  • Equipamentos de alta qualidade, backup obrigatório de todo o conteúdo
  • Ofertas, descontos e promoções adicionais (vários meses como presente, descontos pelo uso de um determinado CMS, um domínio ou certificado SSL como presente, etc.)

Muitas empresas oferecem ao cliente a oportunidade de testar sua loja online gratuitamente, por exemplo, em um domínio de terceiro nível ou por um período (de uma semana a um mês). Mais detalhes sobre tais serviços você encontra aqui. Esse tempo deve ser suficiente para avaliar a conveniência de trabalhar com hospedagem.

Tipos de hospedagem, que você definitivamente não deve escolher

Exclua imediatamente os provedores de com os seguintes sinais:

  • Baixa velocidade de transferência de dados - os usuários não ficam muito tempo em sites que demoram a responder.
  • O suporte técnico não responde, ou os funcionários são incompetentes - respondem com frases genéricas, mandam ler o help;
  • O painel administrativo é inconveniente para gerenciar o recurso.

Concluindo, gostaria de acrescentar que existem serviços de hospedagem gratuitos, e muitos proprietários de lojas online novatos são tentados pela oportunidade de economizar dinheiro. As economias aparentes podem se transformar em tempo e lucros perdidos. Em particular, os serviços de hospedagem gratuita geralmente oferecem um trabalho instável, incapacidade de desativar anúncios, falta de garantias de segurança e um número mínimo de opções.

Fonte: Administradores.com

Conheça a plataforma que deseja revolucionar os serviços de hospedagem

A presença na web funciona como uma vitrine para o negócio, permitindo que o público encontre informações de forma rápida, eficiente, independentemente de fronteiras geográficas

Publieditorial (administradores.com), 20 de fevereiro de 2019, às 12h00

Hostoo
Divulgação/ Hostoo

Na era da transformação digital, a internet é essencial para desenvolver e manter um bom relacionamento com clientes, parceiros e fornecedores em um negócio. Não importa se sua empresa tem natureza propriamente digital ou se concentra ações no mundo físico: ter um site é fundamental.

A presença na web funciona como uma vitrine para o negócio, permitindo que o público encontre informações de forma rápida, eficiente, independentemente de fronteiras geográficas. E, para muitas empresas que trabalham com vendas, é o caminho para uma das maiores tendências do varejo, o omnichannel. De acordo com um estudo recente do Google, por exemplo, as vendas por e-commerce devem dobrar no Brasil até 2021, com um crescimento médio anual de 12%.

Os dados são um indício de que, nos próximos anos, muitas empresas ainda irão estabelecer sua presença na internet, começando por ações como registrar um domínio, criar um site para promover seus negócios e ter um serviço de e-mail. E, nessa jornada, uma plataforma brasileira já está no mercado fazendo toda a diferença: a Hostoo.

Hospedagem descomplicada

Atualmente, não é raro que agências de marketing, programadores e designers tenham muito trabalho para conseguir configurar uma hospedagem de site. O processo pode levar dias, incluindo obstáculos que sempre aparecem no caminho, necessidade de abrir ticket para falar com suporte e todo o trabalho manual de fazer setup do ambiente.

Acontece que cada vez mais está ficando muito caro contratar um profissional bom que tenha vasta experiência com host para suprir essa deficiência das empresas de hospedagem. Além disso, com a alta competitividade do mercado, negócios estão sendo perdidos pela ineficiência e morosidade de se concluir e entregar um site online com estabilidade.

E é neste cenário que a Hostoo se destaca. Ao enxergar a oportunidade de aplicar automatizações com bots e inteligência artificial, a Hostoo é capaz de entregar tudo aquilo que os programadores e designers sempre buscaram: eficiência, praticidade e estabilidade para se hospedar um site wordpress ou qualquer outro em php.

Desta forma, a Hostoo permite que empreendedores e negócios que querem atuar no meio digital não precisem escolher entre ter que contratar um funcionário muito qualificado (que não é fácil de achar) e com alto custo para a empresa, ou ter que arriscar com um profissional com menor experiência, que implicaria em maiores perdas de tempo ao tentar descobrir os caminhos de configurar os ambientes de host.

A solução da Hostoo já chegou a reduzir o tempo gasto com o trabalho manual de criar uma hospedagem cloud em 97%. Com a plataforma, é possível fazer, em até 2 minutos, o que se gastava dias para fazer em outras empresas do mercado. A empresa inova, ainda, no modelo de cobrança do produto através de pagamento por hora pré-pago. A forma de funcionamento é bem simples: você adiciona créditos, como um celular pré-pago, que são consumidos apenas enquanto houver serviços ativos, com a opção de pausá-los e continuar com o crédito na conta para utilizar quando quiser.

É hora de repensar toda a sua estrutura de TI

A digitalização das cadeias de suprimentos está acontecendo rapidamente, mas só pensar em inovações como computação em nuvem é insuficiente

infraestrutura de TI
TI: é preciso repensar desde sua estratégia de compra até a interação entre os processos de TI e de negócios (iStock/Thinkstock)
 

A digitalização das cadeias de suprimentos está acontecendo rapidamente. Grande parte da atenção está centrada em inovações como computação em nuvem, software como serviço (SaaS) e análise avançada.

Mas há outro aspecto nesse cenário de rápidas mudanças: as empresas precisam repensar suas abordagens de gerenciamento de TI (Tecnologia da Informação), desde sua estratégia de compra até a interação entre os processos de TI e de negócios.

O ecossistema do fornecedor em expansão

Há poucos anos, a maioria das funções de compras de TI dependia de um vasto número de grandes fornecedores para gerenciar suas soluções de cadeia de suprimentos de TI. O exemplo mais proeminente seria o SAP, claro, que oferece um conjunto completo de funcionalidades, mesmo para empresas grandes e diversificadas.

Dependendo das prioridades da empresa e de sua vantagem competitiva, o SAP normalmente seria complementado com um sistema de gerenciamento de execução, ou sistema de gerenciamento de armazém, oferecido por um fornecedor de TI de nicho com um produto atraente.

Existem muitas vantagens na consolidação de fornecedores. Em primeiro lugar, o foco nos gastos aumenta a penetração na base de clientes dos fornecedores e alavanca negociações de preços.

Em segundo lugar, as empresas podem influenciar as prioridades de desenvolvimento dos fornecedores; em vez de modificar o produto do fornecedor principal para atender às suas necessidades, as necessidades de uma empresa podem ser integradas na próxima versão do pacote principal do fornecedor.

Existem também considerações técnicas significativas. Poucos fornecedores e pacotes de soluções contribuem a menos servidores, interfaces e problemas de incompatibilidade de dados.

Isso leva a uma infraestrutura de TI mais leve, o que reduz o custo de manutenção, implantação e aprimoramento de um conjunto de soluções de cadeia de suprimentos.

Mas nem todos estão totalmente satisfeitos com esse modelo. Usuários – as funções de negócios que usam as soluções operacionalmente – inevitavelmente devem fazer concessões.

Uma abordagem minimalista de TI e o uso do SAP para a maioria das funções geralmente significa abrir mão de aplicativos de nicho especializados, feitos sob medida para funções específicas.

Por exemplo, as funções de produção normalmente preferem fornecedores menores que ofereçam pacotes exclusivamente projetados para a solução de gerenciamento de armazém; eles argumentariam que esse modelo atende melhor às suas necessidades específicas: melhora o fluxo de material no chão de fábrica ou melhora o rastreamento da eficiência do equipamento.

As equipes de distribuição podem sentir o mesmo. Equipes de serviço de qualidade também podem concordar, pois buscam rastreabilidade superior.

Mas a digitalização está mudando essa dinâmica rapidamente. As funcionalidades associadas à digitalização estão chegando on-line muito rapidamente para empresas grandes ou que oferecem o conceito “one-stop-shop” como o SAP.

As expectativas da integração omni-channel trouxeram para o mercado sistemas de gerenciamento de pedidos e soluções de distribuição, projetados para gerenciar a complexidade e as demandas de trabalhar com especialistas em atendimento de comércio eletrônico, sistemas front-end e os dados necessários para impulsionar a gestão de relacionamento com o cliente.

Outro exemplo é a visibilidade e otimização da cadeia de fornecimento de ponta a ponta, as capacidades de integração de dados e demanda, que fornecem otimização e rastreabilidade.

Mesmo que os grandes fornecedores do software ERP estejam oferecendo serviços nessas áreas, a velocidade da evolução é tal que acabam sendo soluções esqueléticas quando comparados com os inovadores.

As empresas estão sob pressão para expandir sua base de fornecedores, e isso está vindo não apenas dos usuários, mas do fato de que as empresas precisam adaptar seus modelos de negócios para atender às novas expectativas.

Empresas com funções como gerenciamento de TI, compras e processos de negócios estão adotando uma série de práticas enquanto tentam se adaptar. Uma empresa de energia integrada verticalmente está adotando uma abordagem interessante.

Ela entende que deve se adaptar e se afastar da tentativa de limitar o ecossistema do fornecedor de TI. Para gerenciar a transição, os líderes das funções de negócios concordaram em um core de 15% a 20% das funções de negócios que a empresa considera sua vantagem competitiva.

Essas são as funções que garantem a crescente complexidade e o custo para dar suporte a fornecedores de digitalização especializados menores.

As funções remanescentes não estão necessariamente condenadas a aceitar as opções de ERP pré-embaladas. Esses processos estão em transição para o que a empresa considera a solução “padrão da indústria”: a mais comum, prontamente disponível, com tradeoff razoável entre o nicho de mercado e o preço / complexidade.

A empresa trabalha com influenciadores como Gartner e grupos industriais para determinar a solução padrão do setor para cada função de negócios. Essa combinação de líderes de nicho padrão e segmentados do setor está traçando o roteiro da empresa para o futuro.

A função de compras de TI está agora repensando sua abordagem de sourcing. Em vez de analisar os gastos brutos que costumavam ter com grandes players de ERP, eles agora podem usar o fato de serem um grande cliente de um fornecedor menor (embora com menos gastos brutos) para tentar influenciar o roteiro de desenvolvimento do fornecedor.

Houve resistência compreensível no início. Ninguém gosta de ser visto como uma pessoa que não trabalha em uma função que traz vantagem competitiva.

Uma das chaves para ter sucesso em uma abordagem como essa é o envolvimento total e o apoio da gerência sênior. É necessária uma mensagem disciplinada e consistente e a adesão à política.

Repensando o papel da TI

Uma grande empresa multinacional de bens de consumo percebeu que a adaptação a novas soluções de digitalização de fornecedores exigia repensar a maneira como o centro de suporte da empresa era organizado.

Não foi o suficiente ter proprietários de processos de negócios e uma função de TI responsável pela entrega, treinamento e aprimoramento de soluções, para fornecer requisitos e expectativas.

Eles descobriram que as equipes de TI não tinham o conhecimento de negócios para avaliar os benefícios potenciais oferecidos pelas soluções de novos fornecedores, e os proprietários do processo de negócios eram frequentemente muito consumidos por outras responsabilidades e não estavam suficientemente expostos à digitalização da cadeia de suprimentos.

Para resolver isso, eles criaram uma nova função, o Diretor de Digitalização da Cadeia de Suprimentos, para ajudar a unir a TI e os proprietários do processo de negócios na descoberta de inovações e explorar seu impacto nas práticas de negócios e no gerenciamento de TI.

Outra grande empresa de bens de consumo também está adotando as mudanças na gestão de TI trazidas pela digitalização. A rápida expansão de poderosas ferramentas de nicho levou a empresa a perceber que havia colocado muita ênfase na automação de processos, e não o suficiente no usuário.

Em resposta, a empresa não está apenas implantando ativamente as melhores soluções digitais, mas construindo cockpits centrais para que o usuário tenha o melhor dos dois mundos: ferramentas de nicho que lhes permitam se beneficiar de novas soluções de TI, mas com um portal central de onde podem se mover livremente entre as ferramentas.

Por exemplo, um representante de atendimento ao cliente pode usar o cockpit para passar do portal B2B de gerenciamento de pedidos para a ferramenta CRM, para conversar com um cliente, depois para o ERP para ver os pedidos em tratamento e, finalmente, para o TMS para verificar a ordem do status de entrega.

Um planejador de demanda pode ter a plataforma de planejamento colaborativa mais poderosa para trabalhar com os clientes e migrar facilmente para a ferramenta integrada de gerenciamento de dados para alterar um parâmetro de planejamento.

De fato, essa empresa abraçou tanto o futuro digital que usa crowdsourcing e mídia social para permitir que sua comunidade proponha melhorias na solução e vote em seus favoritos.

No entanto, ambas as empresas disseram que ainda existe tensão entre o desejo do usuário por ofertas de fornecedores especializados para sua função e os imperativos de TI para gerenciar a complexidade de dados e interfaces e manutenção.

Lições

As possibilidades geradas pela digitalização das cadeias de suprimentos são vertiginosas. É um momento empolgante para trabalhar no campo e fazer parte de uma verdadeira revolução na forma como as empresas planejam, obtêm, produzem e entregam seus produtos. Mas as empresas precisam repensar muito de seu gerenciamento interno de TI:

• O ecossistema do fornecedor e as expectativas de gerenciamento de custos das soluções de suporte

• Quais processos de negócios merecem atenção: novas fronteiras não podem ser empurradas para todos os lugares ao mesmo tempo

• Como novos fornecedores de TI são identificados e selecionados

• Como reunir tudo isso para controlar a complexidade para o usuário

Ralf Seifert é professor de gerenciamento de operações no IMD. Ele dirige o novo programa de Gerenciamento da Cadeia de Suprimento Digital do IMD, que aborda questões tradicionais de estratégia e implementação da cadeia de suprimentos, bem como tendências de digitalização e novas tecnologias.

Fonte: EXAME.com

Cresce procura por servidores na nuvem por pequenas e médias empresas

O preço também é inferior ao de um servidor dedicado (computador configurado para processar dados, permitir acesso a arquivos e ou permitir execução de softwares remotamente).

Servidores na nuvem
Cresce procura por servidores na nuvem por pequenas e médias empresas

Em 2017, o número de PMEs que procuraram os serviços de servidor na nuvem da Locaweb Corp – unidade de negócios da Locaweb criada para atender o mercado corporativo – cresceu cerca de 50%. Atualmente, o setor representa aproximadamente 41% da estrutura da marca.

O aumento da busca pelo serviço tem diversos motivos, pois a capacidade de processamento, o HD, a memória e o tráfego apresentam melhora significativa quando terceirizados por uma empresa especializada. A nuvem conta também com alta disponibilidade e em caso de uma falha crítica onde o cliente está alocado, automaticamente é iniciada uma nova seção em uma máquina com os mesmos recursos. O preço também é inferior ao de um servidor dedicado (computador configurado para processar dados, permitir acesso a arquivos e ou permitir execução de softwares remotamente).

Serviço de e-mail corporativo também apresenta aumento.

Outro serviço em alta entre as pequenas e médias empresas este ano é o de e-mail corporativo. Segundo um balanço feito pela Locaweb Corp, a procura pela solução em 2017 apontou incremento de 88%, comparado a 2016.
Fonte para a pauta: Locaweb Corp, unidade de negócios da Locaweb criada para atender o mercado corporativo, e clientes/personagens que contrataram o serviço.

Fonte: techdicas.net.br

Diagonal Informática – Soluções em tecnologia para você, sua empresa ou residência. Consulte-nos!

↓
× Como posso te ajudar?