Brasil entra em projeto de megacabo submarino de rede de 15 mil km

Cabo submarino vai ligar a América do Sul à Ásia e à Oceania

Por Agência O Globo

(Spencer Platt/Getty Images)

O governo brasileiro anunciou sua adesão formal ao projeto para a construção do cabo de fibras ópticas “Humboldt”, com quase 15.000 quilômetros de extensão. Trata-se de uma iniciativa chilena, que prevê a instalação do primeiro cabo submarino para interligar a América do Sul à Oceania e à Ásia. Além do Brasil, Argentina, Austrália e Nova Zelândia já manifestaram sua participação no projeto.

Nos próximos meses, equipes técnicas dos países envolvidos aprofundarão as discussões sobre as modalidades financeiras e técnicas da participação do Brasil neste projeto de longo prazo. O volume total de investimentos do projeto foi orçado em cerca de 400 milhões de dólares, e o prazo da concessão público-privada que deverá operá-lo foi estimado em 25 anos.

Fonte: EXAME.com

Rival do Google acusa empresa de usar o Chrome para espionar usuários

Acusação foi feita baseada na demora da empresa para rotular como seus aplicativos para iPhone coletam e usam os dados de busca e navegação

Por Rodrigo Loureiro

Google Chrome: aplicativo foi acusado de espionar usuários (S3studio / Colaborador/Getty Images)

O serviço de buscas DuckDuckGo está acusando o Google de utilizar o Chrome para espionar pessoas pela internet. Rival da gigante de Mountain View no setor de buscas online, a companhia utilizou o Twitter para publicar um relatório divulgado na App Store, a loja de aplicativos do iPhone, que mostra a quantidade de dados rastreados pelo Google usando seu navegador.

O relatório produzido pela App Store conta com dados que as empresas precisam obrigatoriamente ceder e que revelam a quantidade e que tipo de informações são coletadas pelos desenvolvedores dos aplicativos disponibilizados na loja virtual do iOS. A DuckDuckGo critica o fato de que o Google teria demorado meses para divulgar suas informações.

“Após meses de espera, o Google finalmente revelou quantos dados pessoas eles coletam no Chrome e no próprio aplicativo do Google. Não admira que eles quisessem esconder isso. Espionar usuários não tem nada a ver com a construção de um ótimo navegador ou de um mecanismo de pesquisa. Nós saberíamos (nosso aplicativo faz as duas coisas)”, diz a postagem da empresa no microblog.

Apesar das críticas da DuckDuckGo, é importante lembrar que o Google recentemente adicionou rótulos de privacidade aos aplicativos que controle e que detalham o plano de coleta e de uso de informações pelos programas. Para fins de publicidade de terceiros – quando a empresa pode informações para outras empresas companhia coleta dados de localização, histórico de pesquisa e navegação, conforme explica o MacRumours.

O problema foi a demora do Google para rotular seus aplicativos dessa forma. Até o fim de fevereiro, conforme aponta a DuckDuckGo, muitos aplicativos do Google ainda não contavam com os avisos. Vale lembrar que, com a nova política da Apple, os aplicativos deveriam contar com a notificação desde dezembro do ano passado. O Google só adicionou o rótulo em algumas aplicações mais recentemente.

Fonte: EXAME.com

Como melhorar o sinal da conexão Wi-Fi

O sinal Wi-Fi é fraco em certos ambientes da sua casa?

Seus familiares reclamam que não conseguem se conectar ou você tenta jogar mas sua conexão tem lag? Estas são situações comuns, uma vez que os roteadores podem sofrer interferências que prejudiquem o desempenho.

Mais do que contratar um plano de internet adequado para o seu consumo, é preciso escolher equipamentos de qualidade e tomar alguns cuidados. Quer saber como? Então acompanhe o texto e confira 4 dicas para melhorar o seu sinal Wi-Fi.

Roteadores Wi-Fi: como escolher o melhor

Antes das dicas para melhorar o sinal da sua conexão Wi-Fi, vamos falar de uma outra questão muito importante: como escolher o melhor roteador para o seu cenário?

Considere os seguintes pontos:

  • Velocidade da internet:  taxas de velocidade de download e upload do seu plano de internet, contratado diretamente com seu provedor de internet. Esse ponto é determinante para saber se você precisará de um roteador com portas Gigabit ou Fast Ethernet. Há roteadores que suportam até 100 Mbps e outros que alcançam 1 Gbps de velocidade.
  • Quantidade de dispositivos conectados: se forem muitos, um roteador com apenas a frequência 2,4 GHz pode não ser suficiente.
  • Tamanho do ambiente: Ambientes grandes ou com muitos obstáculos e interferências, precisam de soluções como o Twibi da Intelbras, com a tecnologia Mesh.
  • Tecnologia: roteadores com tecnologia Mesh são os mais eficientes do mercado atualmente, pois criam uma malha de sinal estável em todos os ambientes que você desejar e acabam com as “zonas mortas”. Proporcionam uma grande área de cobertura e flexibilidade, pois os módulos podem ser instalados em diferentes ambientes de acordo com a necessidade de cobertura do sinal Wi-Fi.
  • Acessibilidade: para gerenciar facilmente sua rede, ver quem está conectado, ter controle parental e criar rede Wi-Fi para visitantes, procure por produtos que contam com aplicativo mobile.

Dicas para melhorar o sinal Wi-Fi

mulher utilizando um notebook
Intelbras/Divulgação

Agora que você já escolheu o roteador mais adequado para seu cenário, vamos às dicas para usufruir do melhor desempenho do seu aparelho.

1. Instale seu roteador no melhor local possível

O sinal Wi-Fi se propaga em ondas e em “formato de pizza”, assim, sua intensidade diminui na medida que nos distanciamos do aparelho. Portanto:

  • Escolha um local onde o sinal possa ser propagado sem encontrar barreiras em um raio de 1 metro, pelo menos;
  • Não coloque o roteador dentro de caixas ou móveis fechados;
  • Posicione-o em um local relativamente alto – como na altura da cintura ou ombros — e na parte mais central da sua casa.

Se isso não for possível, procure por roteadores com tecnologia Mesh, como o Twibi Wi-Fi 5 Mesh. Isso porque roteadores com essa tecnologia são ideais para levar sinal Wi-Fi de qualidade por todo ambiente. Por ser um sistema modular, é possível utilizá-lo para cobrir desde ambientes pequenos até grandes casas e apartamentos.

O kit Twibi vem com dois módulos e conta com duas versões. Uma para planos de internet de até 100 mega e cobertura de sinal Wi-Fi de até 200 m² e outra versão para planos acima de 100 mega, com até 360 m² de cobertura. Estes são os valores médios recomendados, porém, dependendo do perfil de uso e de características como ambiente de instalação e interferências próximas, pode haver alteração para mais ou para menos. A área de cobertura pode ser ampliada adicionando mais módulos Twibi, com um máximo de 6 módulos por rede.

2. Afaste objetos e dispositivos que interferem no sinal

Paredes muito grossas são um obstáculo para a propagação do sinal de Wi-Fi. Azulejos também podem interferir bastante. Algumas dicas são:

  • Não posicione o roteador muito perto de espelhos, pois a superfície metálica destes objetos é altamente refletora;
  • Evite colocar muitos objetos ao lado do roteador;
  • Afaste aquários e fontes do seu aparelho, pois a água também pode interferir negativamente no desempenho do seu sinal Wi-Fi.

Fique atento aos dispositivos eletroeletrônicos que também podem interferir no seu Wi-Fi como: forno microondas, outros roteadores, alto-falantes, e outros equipamentos sem fio. Equipamentos eletroeletrônicos sem homologação ANATEL também podem prejudicar o seu sinal.

aparelho de wi-fi ao lado de uma planta sobre uma mesa
Afaste objetos e dispositivos que interferem no sinal. Imagem: Intelbras/Divulgação

3. Mantenha seu roteador atualizado e seguro

Você já atualizou o firmware do seu roteador alguma vez? Esta é uma forma muito simples e eficiente de manter seu roteador com as atualizações de segurança e melhorias implementadas pelo fabricante.

Para atualizar você deve:

  • Baixar a última versão do firmware do modelo do seu aparelho no site da marca;
  • Acessar o painel de controle do roteador via interface web;
  • Acessar a opção atualização de firmware, selecionar o arquivo que você baixou e fazer o upgrade.

Nos roteadores que permitem o acesso por aplicativo você recebe notificações dentro do próprio aplicativo quando as atualizações forem necessárias e basta clicar em “permitir” que a atualização será feita automaticamente. É o caso dos roteadores da linha ACtion e Twibi da Intelbras.

Outra maneira de aumentar a segurança é escolher um padrão de segurança mais avançado, como o WPA2 ou WPA3. Não esqueça de definir uma senha alfanumérica forte com letras, números e caracteres especiais — e  mudá-la com frequência.

4. Use roteadores e dispositivos pessoais com tecnologias mais recentes

Você pode  resolver grande parte da interferência no sinal Wi-Fi com o uso de roteadores dual band AC (Wi-Fi 5), que operam tanto na frequência 2,4GHz quanto na 5 GHz. Estes possuem protocolos 802.11ac e garantem um tráfego maior de informações no mesmo intervalo de tempo quando comparados aos aparelhos que possuem tecnologias anteriores e que só operam em 2,4 GHz. Além disso, a frequência 5 GHz possibilita o tráfego de mais velocidade e a conexão de mais dispositivos ao mesmo.

Dispositivos que operam somente na frequência 2,4 Ghz são mais comuns, assim essa faixa se torna mais congestionada e acaba sofrendo mais interferências. Se não puder migrar para o Wi-Fi 5 agora, verifique qual canal está sendo menos usado no seu ambiente — aplicativos como o Wifi Analyzer podem ajudá-lo — e selecione-o nas configurações do roteador.

Alguns aparelhos mais modernos, como celulares, notebooks e Smart TVs já operam em 5 GHz. Sendo assim, os roteadores Wi-Fi 5 são uma ótima opção para quem possui muitos dispositivos conectados dentro de casa e necessita de um sinal estável por todo ambiente.

Conclusão

Invista nos melhores roteadores residenciais do mercado para otimizar a velocidade, cobertura e estabilidade da sua internet, assim como garantir mais segurança e praticidade para seu dia a dia.

Os roteadores Intelbras da linha Twibi Wi-Fi Mesh contam com aplicativo gerenciador para monitorar os dispositivos conectados, criar redes Wi-Fi temporárias para visitas, controlar acesso a sites e determinar horários de navegação para os pequenos. Com ele, você garante uma ótima conexão Wi-Fi pela casa toda.

Fonte: Olhar Digital

Microsoft Teams deixa de funcionar com o Internet Explorer 11

O Microsoft Teams, serviço de videoconferências e comunicação, deixará de funcionar no Internet Explorer 11 a partir desta terça-feira, 1° de dezembro.

Imagem: Microsoft

O fim do suporte para o navegador faz parte do plano da Microsoft de encerrar de vez o antigo browser, que já está sendo substituído pelo Edge.

A partir de dezembro, os usuários do Internet Explorer não poderão acessar o chat ou entrar em chamadas do Teams. O fim do suporte ao serviço de conferências é apenas o primeiro passo para o encerramento de outras ferramentas da Microsoft no navegador.

Além do Teams, outros serviços da Microsoft deixarão de funcionar no Internet Explorer 11 futuramente
Além do Teams, outros serviços da Microsoft deixarão de funcionar no Internet Explorer 11 futuramente (Fonte:  Microsoft )

 

A partir de 17 de agosto de 2021, todos os outros aplicativos e serviços do pacote Microsoft 365 também deixarão de funcionar com o Internet Explorer. Antes disso, em março de 2021, a empresa também vai encerrar a versão antiga do Edge.

Transição para o novo Edge

O objetivo da companhia é centralizar todos os usuários na edição renovada do Microsoft Edge. O navegador é baseado em Chromium, o que garante velocidade no uso, e possui um modo de compatibilidade para sites antigos, o que torna o uso do Internet Explorer desnecessário.

O Internet Explorer será aposentado em 2021.
O Internet Explorer será aposentado em 2021. (Fonte:  Microsoft )

Recentemente, a Microsoft iniciou um movimento para começar a migrar os usuários do Internet Explorer para o novo navegador. Agora, certos sites não abrem no browser antigo e trazem um redirecionamento automático para o Edge, que já vem pré-instalado nas edições mais recentes do Windows 10.

Fonte: TecMundo

O que fazer ao cair em um golpe virtual?

Em caso de compras online, primeiro passo é registrar a reclamação no próprio site de compras ou buscar informar a empresa o ocorrido

Por Dane Avanzi* (Administradores.com)

O que fazer ao cair em um golpe virtual?A pandemia foi um prato cheio para crimes cibernéticos. Desde março, a quantidade de golpes virtuais cresceu exponencialmente. E ainda não há indícios de que essa situação seja revertida, afinal, oportunidades de tentar ludibriar o usuário não faltam. E-mail, SMS, WhatsApp ou mesmo o bom e velho telefone – os canais são variados, mas o resultado é sempre o mesmo: no mínimo, uma baita dor de cabeça.

Segundo dados publicados pela ESET, companhia de segurança da informação, os principais ataques no segundo semestre de 2020 envolveram ransomware e tentativas de phishing.

E como eles funcionam?

O primeiro se trata de um software malicioso que se instala no seu computador e exibe mensagens exigindo algum pagamento para que o sistema volte a funcionar. O segundo tenta se passar por um site oficial para capturar dados de usuários, como o número de cartão de crédito. De acordo com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), os phishings aumentaram 70% no Brasil pós-Covid.

Ser vítima de qualquer tipo de golpe não deve ser visto como ingenuidade ou ignorância em relação ao uso das redes. Todos somos passíveis de cair nas armadilhas desses grupos, que vão se aperfeiçoando ao longo dos anos. Costumo dizer que se eles não estivessem sempre um passo à frente, tais crimes não ocorreriam. Uma vez que isso acontece, é preciso saber como agir para minimizar possíveis danos.

Comumente, a imprensa divulga a ocorrência de crimes cibernéticos contra a honra, como a exposição de conteúdo pessoal, alteração de páginas públicas (como a Wikipédia) com fins de difamação, calúnia e chantagem. Para tentar combater isso, o Marco Civil da Internet obrigou os provedores de internet a guardar os registros de acesso de todos os usuários por seis meses, para facilitar a identificação de eventuais crimes cometidos no ambiente online. Para isso, cabe à pessoa ofendida mover uma ação no âmbito privado, através de um advogado particular, por meio de uma denúncia de queixa-crime.

Como há variados tipos de golpes, vamos tentar abordar como agir frente aos principais e mais danosos, como compras online ou que envolvam a obtenção de senhas e dados pessoais. Esses estão na esfera do Direito penal público, e a ação pode ser condicionada ou incondicionada, dependendo do caso concreto. Quando for incondicionada o Ministério Público é o titular da ação, pois tem interesse em impedir que aquela conduta se propague e faça mais vítimas.

O primeiro passo é registrar a reclamação no próprio site de compras ou buscar informar a empresa o ocorrido. Para isso, recupere todos os registros e protocolos de compra. Muitas vezes, a empresa também é vítima da situação (por exemplo: o site acessado não era o oficial e a empresa não tinha conhecimento). Fazer a reclamação em sites de consumidores, como o Reclame Aqui, ou sites oficiais, como o Procon, pode ajudar a alertar outras pessoas.

Verifique seu extrato bancário e, caso haja alguma transação suspeita, comunique seu banco. As instituições financeiras estão preparadas para lidar com esse tipo de ocorrência e cancelar as compras.

Pode ser necessário fazer um Boletim de Ocorrência, pelo crime de estelionato, para ajudar a polícia a descobrir quem está por trás da fraude. Hoje, é possível até fazer esses registros pela internet. Para comprovar isso, é preciso provar que o criminoso obteve vantagem ao prejudicar uma pessoa por meio de um esquema fraudulento que a induziu ao erro. Se o crime tiver envolvido até 40 salários mínimos, é indicado abrir uma ação no Juizado Especial de Civil (JEC).

Por fim, é importante ressaltar medidas de prevenção contra golpes virtuais.

Não abra links desconhecidos e desconfie de mensagens com assuntos apelativos. ou anúncios em redes sociais com preços muito abaixo do normal. Mantenha seu antivírus atualizado. Lembre-se: bancos não ligam perguntando senhas ou para confirmar transações na internet. Informações pessoais não devem ser compartilhadas em sites e aplicativos desconhecidos. Além disso, mantenha seu antivírus atualizado e procure o cadeado de segurança ao lado da URL para verificar se a conexão é segura. Se mesmo assim, você acabar sendo vítima de um golpe, não hesite em procurar as autoridades competentes. Em muitos Estados federativos, existem delegacias especializadas em crimes cibernéticos. Caso o crime cometido seja contra a honra, é recomendado a consulta com um advogado especializado em crimes cibernéticos. Atuar preventivamente e com bastante atenção da internet certamente evitará muitos problemas.

*Dane Avanzi é empresário, advogado e Diretor do Grupo Avanzi.

Google pode ser obrigado a vender o Chrome

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos pode forçar o Google a vender o navegador Chrome.

Acsa Gomes, editado por Elias Silva 13/10/2020 20h12 (Olhar Digital)

A decisão pode ocorrer depois que o relatório antitruste do Congresso dos Estados Unidos sobre grandes empresas de tecnologia veio a público.

Além disso, a entidade tem como alvo os negócios de publicidade do Google. A intenção é reduzir o domínio da gigante sobre o mercado global de publicidade digital, que já rendeu mais de 162,3 bilhões de dólares.

A proposta é apenas uma de várias que o órgão deve apresentar contra a empresa nas próximas semanas. Se a situação se confirmar, esse pode ser o primeiro caso em décadas de que uma companhia será obrigada a se desmembrar.

Fonte: Olhar Digital

LGPD: uma nova perspectiva para empresas e consumidores

A LGPD chega para tranquilizar e, ao mesmo tempo, esclarecer sobre a importância de se realizar investimentos em segurança.

Por Virginia Vaamonde*

LGPD: uma nova perspectiva para empresas e consumidores

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) já é realidade no Brasil antes mesmo de entrar em vigência. Afinal, é possível observar movimentações de empresas no país para se adequar à nova regra e garantir privacidade e proteção dos dados pessoais de cada cliente, algo tão importante em um mundo cada vez mais conectado e dinâmico.

Antes de falar sobre as mudanças e sobre como estamos agindo, precisamos sempre lembrar que a LGPD vem para regular algo de extrema importância para todos os cidadãos e passar mais credibilidade para todas as companhias que necessitem de dados pessoais dos clientes para um determinado momento da operação.

O medo de ter dados vazados cresce a cada ano.

Segundo o levantamento global de Índice de Segurança, feito pela Unisys, a preocupação das organizações com a segurança teve um aumento de 50% em dez anos. Acredito que grande parte dos brasileiros já desistiu de algum processo ou compra simplesmente por desconfiar de como seriam usados os dados após a inserção no sistema. Outro detalhe que também preocupava era o risco de tais informações não estarem armazenadas em locais seguros e, de alguma maneira, serem roubadas por hackers.

A LGPD chega para tranquilizar e, ao mesmo tempo, esclarecer sobre a importância de se realizar investimentos em segurança. E, principalmente, mostrar às empresas a necessidade de se reinventar para entender o que é ou não necessário - e se, após o rompimento de um contrato ou a finalização de uma compra, por exemplo, haverá a necessidade de manter aquelas informações no sistema.

Aqui na GS1 Brasil esse assunto já está em debate há algum tempo. Além de estarmos acompanhando todos os movimentos desde a implementação da GDPR (General Data Protection Regulation) na Europa, temos a obrigação de cuidar bem das informações pessoais de cada um dos nossos parceiros em todos os detalhes.

Uma das nossas primeiras iniciativas foi criar um grupo com outros executivos da associação para entendermos melhor cada detalhe, realizamos treinamentos e, assim, estarmos preparados para o momento em que a LGPD passar a ser obrigatória no Brasil. Também contamos com um time de governança de dados, criado neste ano e que mapeou todas as áreas da nossa organização, para entendermos melhor quais operações lidam com dados pessoais e com quem compartilhamos tais informações. Ainda refizemos nossos processos de filiação e, agora, só mantemos os dados necessários, seja um novo parceiro ou, até mesmo, um aluno de um curso.

A informação é tratada como o novo petróleo.

E, como todo bem precioso, deve ser utilizado com responsabilidade. Como associação e parte ativa da sociedade, a GS1 Brasil tem se preparado, de forma consistente, para a vigência da LGPD no Brasil.

*Virginia Vaamonde é CEO GS1 Brasil - Associação Brasileira de Automação.

Fonte: Administradores.com

Descoberto truque para bloquear todos anúncios no YouTube

Um usuário do Reddit descobriu uma maneira de remover todos os anúncios do YouTube e também o paywall em sites de notícias e jornais.

Se aproveitando de uma falha no nome do host, é possível acessar o conteúdo completo sem que o domínio para veicular os anúncios seja correspondido.

E, na realidade, a falha é incrivelmente simples. O usuário aponta que a única coisa que é preciso fazer, é adicionar um ponto na URL. Assim, o site em questão deixa de acessar os dados do servidor, de um domínio diferente, que são usados para veicular os anúncios (cross-origin resource sharing, ou 'CORS').

Por exemplo:

URL normal: https://www.youtube.com/watch?v=2O4K_tmZs1A

URL alterada: https://www.youtube.com./watch?v=2O4K_tmZs1A

A única alteração necessária na URL é utilizar ".com.", no lugar de apenas ".com". Mas, além de cortar o acesso dos sites aos anúncios, a mudança também corta o acesso aos cookies.

Desta forma, após começar a navegar com o "hack" ensinado no Reddit, a sessão do usuário deixa de ser válida – a menos que ele abra uma nova aba do site. Vale lembrar que o YouTube pode consertar a falha em breve normalizando o nome de host no navegador.

Legal ou não legal?

O YouTube, que é uma plataforma gratuita, é monetizado e gera renda aos criadores através de anúncios. Uma opção de monetizar e oferecer bons recursos é o YouTube Premium, que elimina os anúncios na plataforma e oferece mais alguns extras.

Aqui no Brasil, o Premium chegou em setembro de 2019 e dá a possibilidade de baixar vídeos para assistir offline; não exibe propagandas antes ou durante os vídeos; oferece o serviço YouTube Music e mais.

Mas, além do YouTube, o método também pode afetar sites de notícias e jornais que utilizam o paywall. Este método restringe o acesso a algum tipo de conteúdo, a menos que você seja assinante.

Existem outras maneiras que eliminam anúncios nos sites, como os bloqueadores. Por outro lado, a prática não é considerada das mais éticas, mas gera discussões sobre acesso a conteúdo. Especialmente tratando-se de informação.

Neste caso em questão, não se trata de uma forma ilegal de burlar os anúncios. A falha está no redirecionamento dos próprios sites e pode ser explorada de forma simples, até então.

Também é possível utilizar o mesmo método em smartphones. Basta abrir o navegador e acessar páginas na versão desktop, e depois adicionar o pontinho na URL.

Fonte: TecMundo

modo escuro chrome

Modo noturno do Chrome vai ficar ainda mais escuro; entenda

Novidade deve chegar primeiro aos usuários de smartphones Android

modo escuro chrome

Google trabalha para atualizar o modo escuro do Chrome com um novo recurso, que torna a pesquisa na web ainda mais confortável à noite. Os usuários de celulares Android serão os primeiros a se beneficiar, mas é de se esperar que a novidade seja lançada em todos os sistemas operacionais em breve.

O Google lançou o modo escuro do Chrome pela primeira vez no ano passado, facilitando a alternância entre a interface branca e algo mais confortável para os olhos à noite. Porém, há um problema: a configuração não afeta nenhum conteúdo do site, ou seja, quando você realiza uma pesquisa no Google, a página de resultados ainda é toda branca.

Reprodução
Foto: 4gnews

Agora parece que em breve teremos uma solução adequada para o problema. Conforme o 9to5Google relata, uma alteração recente no código do repositório de origem do Chromium mostra que o navegador receberá em breve um novo sinalizador, chamado "#enable-android-dark-srp", que deve resolver esse problema.

Quando ativado, ele mostrará uma página de resultados de pesquisa escura (SRP) se o navegador já estiver no modo noturno.

Muitas pessoas preferem o modo escuro, já que interfaces brancas são mais duras para os olhos, principalmente ao usar o smartphone à noite.

A atualização deve chegar em breve aos usuários de celulares Android.

Via: Techradar

Fonte: Olhar Digital

Como colocar uma barra de música no Google Chrome

Acabaram os dias de inúmeras guias com alguma música tocando, se estressar ou perder tempo procurando a origem; novo recurso do Chrome permite parar, continuar, avançar ou voltar a música.

A situação provavelmente já aconteceu com você: existem inúmeras abas abertas no Chrome e uma delas está tocando uma música, ou rodando um vídeo. Isso não seria um problema se você, por exemplo, quisesse parar de ouvir aquele som. Para silenciar o incômodo, é preciso caçar de qual guia está vindo o som. Não mais, agora o Google criou um novo botão para o desktop que permite pausar (e tocar) músicas e vídeos a partir de qualquer aba que você esteja navegando no momento.

A nova função ainda está em fase experimental. A seguir, veja um passo a passo para aproveitar este recurso, mas em primeiro lugar lembre de ter a última versão do Chrome atualizada:

  1. Com o Chrome aberto, selecione os três pontinhos no canto superior à direita
  2. Selecione Ajuda e depois ‘Sobre o Google Chrome’. Se aparecer que o Google está atualizado, você pode pular esta fase; caso não, clique para atualizar – só fique atento se você salvou tudo o que estava usando no chrome, pois ele irá reinicia-lo

Habilitar o botão de pausa e play

  1. Abra o Chrome e procure chrome://flags/ na barra de url
  2. Dentro da seção search flags, procure Global Media Controls
  3. Na caixa suspensa à direita, escolha Enabled
Reprodução
  1. Clique em Relaunch Now. Novamente, tenha certeza de que você está com tudo salvo, pois isso vai resetar seu navegador
  2. Agora você vai ter uma barra de player na parte de baixo da sua barra de ferramentas.

Testando

Reprodução

  1. Abra um site como o YouTube ou o Spotify Web Player no seu navegador e selecione uma música ou um vídeo para testar
  2. Quando você clicar em pausar, clique novamente no botão de play
  3. Uma caixa irá aparecer, te mostrando a música ou vídeo que está atualmente tocando. Clique no botão de pausa
  4. Clique no botão play para continuar ouvindo. Existe também uma opção de avançar e voltar.

Fonte: Olhar Digital

↓
× Como posso te ajudar?